MARISCO A VINAGRETE

•Outubro 15, 2009 • Deixe um Comentário

Ingredientes

1 k de mariscos

1 tomate vermelho

1 cebola

1/2 limão

azeite, vinagre e sal

cheiro verde picado

Lave bem os mariscos. Numa panela, coloque azeite, deixe esquentar e coloque os mariscos. Em seguida, esprema o 1/2 limão e coloque sal. Tampe a panela e aguarde que todos os mariscos se abram, mexendo delicadamente. Escorra a água que se formou e reserve os mariscos. Pique o tomate e a cebola bem pequenos e junte aos mariscos. Tempere com azeite, vinagre e sal. Mexa bem,  coloque numa travessa e leve à geladeira até a hora de servir. Salpique o cheiro verde (opcional)034

ORIGEM DAS RECEITAS

•Outubro 6, 2009 • 2 comentários

Amigos: minhas fontes de receitas são as mais variadas possíveis. Comecei na cozinha com receitas de minha Vó Cora, mãe da minha mãe. Era uma doceira de mão cheia.
Mas as receitas daquele tempo não fazem mais o gosto atual. São receitas muito doces, com muitos ovos.
Então, eu as reformei (algumas) e aos poucos vou colocá-las aqui. Com o passar dos anos, fui pedindo para minhas amigas receitas gostosas que comia na casa delas. E assim, meu caderno de receitas foi engordando.Porisso, em muitas delas, aparecerá ao lado do nome da receita, o nome da pessoa que me deu a receita. Sinal que além da receita em meu caderno, ficou também o carinho pela pessoa que me deu. Obrigada a todas elas.

aniversario Cadu 6 061_cr

Esta “Paella”, por exemplo, é receita de uma amiga: Ascension Horno Mañas Netto – carinhosamente chamada de Choni. Mãe da Taty, amiga da Cláudia, um dia nos convidou para experimentar o prato.E lá fomos nós. Adorei. Adorei tudo! O sabor e a forma aconchegante que o prato é feito. Todos em volta do fogo, assistimos e participamos. E daí por diante, é prato constante em nossas grandes comemorações. Apesar de muito trabalho anterior, a dona da casa consegue estar presente com os amigos, que sempre pedem para dar uma “mexidinha”. Valeu Choni! Obrigada.

VÓ CORA – O INICIO DE TUDO

•Outubro 6, 2009 • 4 comentários
Edith,Jenny, Domingos, Coracy e Ruth
e vó Cora sentadinha

Não cheguei a conhecer a minha vó Cora, mãe de minha mãe.
Esta mulher batalhadora que criou os filhos fazendo doces para as grandes festas em Ribeirão Preto talvez seja a “culpada” por minha entrada na cozinha.
Talvez seja genético, já que meu filho também está indo pelo mesmo caminho. A culinária.
Na verdade, pulou uma geração, já que todos me contam que mamãe não era muito chegada em panelas. Fazia o estritamente necessário. Nada de grandes paixões.
Quando era chamada para ajudar vovó, já que todos os filhos colaboravam, mamãe ia às compras. Pegava a lista  e lá ia ela comprar os ingredientes para as encomendas. Ia a pé, e parava na casa de cada vizinho, perguntando se queriam alguma coisa. A lista ia aumentando e vovó esperando o que precisava. Na volta das compras, mamãe ia parando nas casas para entregar os pedidos e em agradecimento as vizinhas ofereciam um pedaço de bolo e outras guloseimas e mamãe aceitava. Quando chegava em casa, bastante tempo depois, encontrava uma mãe muito brava, atrasada em suas encomendas.
Não sei se é folclore ou se é verdade. Mas quis contar prá vocês o que me contaram…….
Os outros filhos em compensação, seguiram o caminho de vovó. Tia Jenny continuou em Ribeirão a tradição de minha vó. E é desta fase que tenho lembranças, muito vagas, de dúzias e dúzias de ovos serem quebradas, para fazer os famosos caramelados, os bolos de noiva, os fios de ovos, entre tantos outros doces maravilhosos.
Passávamos lá nossas férias, eu, minhas primas Cora e Maria do Rosário e o pequenoPaulo Eugênio. Éramos inseparáveis.
E sempre aquela cozinha borbulhante de docinhos, sobremesas e bolos.
Elas eram muito econômicas. Para não perder as claras que sobravam, faziam um creme de ameixas. Aí sobrava o creme e elas inventavam outro doce. E de aproveitamento em aproveitamento, um dia tínhamos na mesa, dez ou doze sobremesas. Para não desperdiçar os ingredientes. Essas eram as irmãs Toledo Piza.
Digo irmãs porque Tia Ruth e Tia Coracy também ajudavam vovó e depois Tia Jenny, quando íamos passar nossas férias lá.
Elas realmente sabiam o que estavam fazendo. Tia Ruth gostava de fazer doces e Tia Coracy tinha “aquela” mão para os salgados.
E o irmão caçula, o Domingos, não sei se ajudava quando era pequeno. Mas adulto, ia para a cozinha também e tive já a oportunidade de colocar aqui no blog o Pudim de Conhaque que ele fazia, entre outras coisas. Fazia um doce de abobora, cortado pequeno, recheado com bala de ovos e caramelado. Era uma coisa de louco. Muito bom.

Quando enrolo brigadeiro, lembro muito da Tia Ruth. Ela fazia um cordão com a massa e ia tirando aos poucos, sem medir e todos saíam do mesmo tamanho. Para uma criança pequena, era algo mágico.
Da Coracizinha, lembro dos cuscus, dos croquetes, das tortas. Festa das Toledo Piza, era um festival gastronômico.
Da minha mãe, lembro da maionese que era feita a mão e de um ravioli.
Além de uma sopa horrorosa em que ela quebrava ovos inteiros dentro e todos éramos obrigados a tomar.Mesmo depois de casada, nas festas mamãe só fazia as compras. Para as irmãs fazerem pra ela.
Sabe porque eu contei tudo isso?
Para poder homenagear minha vó.

Nossos bens materiais vão e voltam.

Mas aquilo que foi plantado com tanto amor, o conhecimento que ela passou para os filhos e estes filhos para seus filhos, ninguém tira. Será sempre nosso.

Maria do Rosario, Eu,Paulo Eugenio no meu colo e Cora

PATÊ DE MORTADELA

•Outubro 4, 2009 • Deixe um Comentário

Ingredientes

200grs de mortadela picada
1 xícara (chá) de maionese
sal e pimenta do reino

Bata a mortadela no liquidificador ou no processador até triturar. Junte a maionese e bata mais um pouco até misturar bem.

PATÊ DE AZEITONA

•Outubro 4, 2009 • Deixe um Comentário

Ingredientes

1/2 xícara (chá) de azeitonas pretas ou verdes picadas
1/2 xícara (chá) de maionese
2 xícaras (chá) de ricota
1 pitada de orégano
sal e pimenta do reino

Coloque todos os ingredientes no liquidificador. Bata até obter uma massa homogênea.

PATÊ DE AZEITONA

•Outubro 4, 2009 • Deixe um Comentário

Receita de Dona Julieta

Ingredientes

1K de azeitonas pretas (de boa qualidade)
1 xícara (chá) de óleo
3 rodelas de cebola
1 dente de alho pequeno
oregáno

Descaroçar as azeitonas e bater no liquidificador todos os ingredientes. Passar camada grossa no pão de forma sem casca. Guardar em geladeira intercalando as camadas de pão com guardanapos úmidos, até a hora de servir.

SARDELA

•Outubro 4, 2009 • Deixe um Comentário

Receita de Beth Peterutto

Ingredientes

4 pimentões vermelhos

2 latas de sardinha
1 1/2 lata de tomato sem pele
1 cabeça de alho picado
azeite
erva doce
160grs de filés de anchovas

Colocar uma boa quantidade de azeite na panela e fritar o alho picado. Bater os demais infgredientes no liquidificador, com exceção da erva doce. Deixar cozinhar mais ou menos 2 horas em fogo baixo, maxendo de vez em quando. No final colocar a erva doce e a pimenta a gosto.